Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sr. Solitário

Aquilo que penso. Aquilo que sinto. Aquilo que sou.

Aquilo que penso. Aquilo que sinto. Aquilo que sou.

05
Ago16

A caça aos grilos

Sr. Solitário

Se havia coisa que adorava em criança eram as férias grandes de verão, quem não gostava? Acordava sempre cedo para aproveitar cada hora do dia livre que tinha pela frente, não porque tinha muita coisa para fazer, mas sim porque queria desfrutar de cada minuto das minhas férias.

Tomava o meu pequeno almoço e lia os meus livros de banda desenhada do Mickey e do Pato Donald com o Tio Patinhas a contar cada moeda que tinha guardada no cofre ou então a mergulhar nelas. Achava tão engraçado e entristece-me ver que atualmente não existe muitos desses livros à venda.

Não lia só os livros de banda desenhada, mas também os livros da coleção Uma Aventura, devorava-os a todos sempre que a minha mãe me brindava com a compra de um exemplar.

 

Noutros dias apetecia-me mais caminhar pelos campos fora, sentir a brisa matinal e fresca, sentir o cheiro da terra molhada proveniente da rega dos grandes campos de milho verde, intermináveis.

Por vezes, sentava-me perto de uma fonte e imaginava a minha vida de outra forma, embalado pelo canto da água que formava um pequeno riacho.

 

Almoçávamos sempre na mesa da sala, que era o lugar mais fresco da casa, uma salada de alface caseira para acompanhar, e uma gasosa para apagar uma sede infinita que todas as crianças têm e que também pode ser chamada de gulodice.

Via as novelas e via o Batatoon e comia muitas sandes de manteiga para acompanhar.

 

À tardinha, era a hora da caça aos grilos. Caminhávamos pé ante pé pelo campo para ouvir onde se escondia o grilo que cantava, um cri cri que desvanecia mal nos aproximássemos. De seguida, procurávamos entre a erva para ver onde estava o buraco, a casa do grilo, e depois, enfiávamos uma palha seca no orifício dizendo: Gri gri, anda aqui que eu já te vi!! E o grilo saía de sua casa e apanhávamo-lo com as mãos e fechávamo-lo na gaiola para ele cantar à noite só para nós.

Às vezes, colocávamos água no buraco e o grilo, aflito, saía imediatamente de sua casa para logo depois ser apanhado.

 

Uma infância tão feliz que deixa saudades para sempre.

 

MHP1891ACacaAosGrilos_ma.JPG

 

40 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Este blogue tem direitos de autor

Copyrighted.com Registered & Protected 
AV4F-DECN-50AT-8KBU

A ler...

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D