Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sr. Solitário

Aquilo que penso. Aquilo que sinto. Aquilo que sou.

Aquilo que penso. Aquilo que sinto. Aquilo que sou.

04
Jan17

Desejos

Sr. Solitário

Numa altura em que se fala muito em resoluções e desejos para o novo ano que já vai no seu 4.º dia, lembrei-me de como em criança eu e os meus amigos pedíamos os nossos desejos.

Eu sou do tempo em que se brincava na rua, ao ar livre, um mundo inteiro aos nossos pés, e esses nossos pés irrequietos percorriam estradas e campos ao movimento rápido da imaginação. A rua era a nossa rede social.

 

Sempre que avistávamos um avião no céu, daqueles pequeninos que se moviam lentamente num céu azul celeste e limpo deixando um rasto de fumo branco, imediatamente cruzávamos os dedos, fechávamos os olhos e pedíamos um desejo em voz baixa. Não o podíamos contar a ninguém, senão o desejo nunca se realiziaria, e, com essa certeza, acreditávamos que aquilo que tínhamos pedido ao avião dos desejos se concretizaria em pouco tempo.

Hoje, ao recordar alguns desses desejos que proferia mentalmente para ninguém os descobrir, rio-me de mim próprio e da minha inocência.

 

Agora que um novo ano recomeça, o ano em que irei completar 31 anos, o meu maior desejo é nunca deixar desaparecer a criança que ainda existe dentro de mim, aquela criança que acredita que os nossos desejos se podem realizar se pedirmos com muita convicção, de olhos fechados, dedos cruzados.

Que todos os vossos desejos se concretizem.

 

48061325.jpg

 

13
Nov16

Dá que pensar...

Sr. Solitário

Se em criança tivesse a oportunidade de ver o futuro, certamente que desejaria ver-me tal como sou hoje. Nunca fui uma criança com grandes objetivos, mas sim uma criança com grandes sonhos, como já referi inúmeras vezes neste blog. Todos esses sonhos foram esmorecendo ao mesmo tempo que as oportunidades de os concretizar se desvaneciam, até que acabaram por desaparecer e deles só sobrar um fio de memórias.

Todos nós dizemos que, se pudéssemos voltar ao passado, mudaríamos muita coisa nas nossas vidas. Contudo, na minha opinião, isso tornava-nos mais imaturos e completamente ignorantes em vários aspetos da vida, transformando-nos numa sociedade formatada e estupidamente perfeita, pois é com os erros que aprendemos a crescer e nos transformamos em melhores pessoas.

 

Se eu me orgulharia de mim próprio se tivesse a oportunidade de ver o adulto em que me tornei? Talvez não, mas acredito que o nosso destino, o nosso caminho, somos nós que o trilhamos e vamos sempre a tempo de seguir outra estrada, numa outra direção que não aquela que sempre escolhemos, e que isso poderá mudar tudo! Quem sabe, um dia, eu não me orgulho de mim próprio e, aquela criança sonhadora e de imaginação fértil, possa se orgulhar de um adulto que a relembra sempre e em qualquer circunstância.

 

E vocês? Façam esta pergunta a vós mesmos e digam-me se se orgulhariam do adulto em que se tornaram.

 

14937241_798116983699732_8700064114066488439_n.jpg

 

18
Ago16

Memórias - O traje domingueiro

Sr. Solitário

Já vos contei como passava a maior parte dos domingos da minha infância aqui. Hoje vou partilhar mais uma recordação que penso que todos vocês também se irão lembrar. A roupa do domingo.

Era sempre a melhor roupa que tínhamos no armário e que guardávamos só para andar ao domingo, o dia da semana onde era preciso um certo rigor no vestuário.

 

A minha mãe comprava-nos roupa nova pela altura do natal e pela altura da Páscoa, duas épocas festivas às quais dávamos muita importância, mais ao natal é certo, por razões óbvias.

Então, passada a época em questão, o dia em que a roupa era estreada, a mesma só era utilizada no domingo a seguir e assim por diante.

Não que fosse para alguma festa ou coisa do género, ia à missa por vezes... mas na maioria dos domingos à tarde ia a casa da minha avó. Lá estavam muitos dos meus tios e tias e, principalmente, todos os meus primos.

Nós gabávamo-nos da roupa que trazíamos com muito orgulho, assim como os meus primos faziam e depois brincávamos a tarde toda.

 

Hoje recordo esses domingos, nostálgico. Já não tenho roupa de domingo, tenho roupa apenas. Roupa normal, sem importância.

 

historia-de-vida.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Este blogue tem direitos de autor

Copyrighted.com Registered & Protected 
AV4F-DECN-50AT-8KBU

Posts mais comentados

A ler...

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D