Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sr. Solitário

Aquilo que penso. Aquilo que sinto. Aquilo que sou.

Sr. Solitário

Aquilo que penso. Aquilo que sinto. Aquilo que sou.

18
Jul16

TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo

Sr. Solitário

Quem acompanha este blog desde o seu início sabe que estou a ser acompanhado por uma psiquiatra devido a um transtorno obsessivo compulsivo, crises de ansiedade e ataques de pânico. Isto tudo é devido a alguma atividade ruidosa proveniente de um estabelecimento comercial (café) mesmo por baixo da minha moradia. As pessoas não têm qualquer respeito pelo espaço dos outros. Porém, o problema não é só do café, mas sim meu também, pois desenvolvi certos comportamentos anormais. As tais TOC.

 

Hoje vou partilhar um texto muito pessoal onde vou descrever, para quem desconhece, o que é uma TOC:

 

Começa por volta das 21 horas. Coloco a minha televisão no silêncio para ver se ouço algum barulho na parte de baixo. Sim, ouve-se, mas também é normal, ainda é cedo. Vou até à janela ver os carros que estão estacionados no parque e conto-os, tentando perceber quantas pessoas estão dentro do café. Sei as matrículas de todos os carros dos clientes do café e sei a quem pertencem.

 

Tento concentrar-me no que está a dar na tv para abstrair-me do barulho. O barulho é, nada mais nada menos, do que pessoas embriagas a falarem mais alto que o normal. Por vezes são apenas os clientes a conversarem entre si, na minha cabeça já é muito muito barulho!!

Coloco a televisão no silêncio novamente e fico à escuta. Dirijo-me até à janela para ver se algum carro já foi embora ou se alguém chegou. Volto a ir para o quarto.

 

Acaba a novela e está a dar publicidade. Coloco a televisão no silêncio outra vez e assim fica durante todo o intervalo. Vou outra vez até à janela. Regresso ao quarto.

Vou à casa de banho, vou outra vez à janela, regresso ao quarto. Parece que chegou outro carro, vou até à janela e venho sucessivamente.

 

A minha mãe já se foi deitar e fechou o estore da janela. Merda, praguejo baixinho! Só me resta a porta de entrada que tem vidros espelhados e que fica lá em baixo, 22 degraus.

Desço as escadas descalço e em bicos de pés para não fazer barulho senão a minha mãe ainda vê o que estou a fazer e não quero que ela saiba. Espreito pela porta e vejo os carros todos. Subo as escadas e regresso ao quarto.

Desço e subo aqueles degraus compulsivamente, até me doerem as pernas, mas não consigo parar!! É mais forte que eu. Só paro quando o café fecha.

 

Chegaram mais clientes, fico num estado de nervos horrível! Apetece-me partir tudo e então dou murros nas paredes, por vezes até fazer sangue.

O meu corpo está cansado, já não aguento muito mais. Desço e subo as escadas até à exaustão! Os clientes começam a ir embora um a um, por volta da meia noite, vejo-os a todos a saírem e vejo a proprietária do café a fechar. Respiro fundo e deito-me acabando por adormecer.

 

Isto é uma TOC.

56 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D