Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sr. Solitário

Aquilo que penso. Aquilo que sinto. Aquilo que sou.

Sr. Solitário

Aquilo que penso. Aquilo que sinto. Aquilo que sou.

21
Mai18

De coração cheio

Sr. Solitário

Imagens%20tumblr%20-%20Coraçao20120319-fairy_with

 

"Meu homem, cada um é como é, e ninguém tem nada a ver com isso, o importante é que tu estejas feliz. Se tu estás feliz, eu também estou feliz. Não deixas de ser meu filho por causa disso e eu amar-te-ei sempre tal como és".

 

Estas foram as palavras do meu pai quando soube da minha orientação sexual. Disse-o por telefone no dia do meu aniversário. O melhor presente que poderia receber dele. Estava num hipermercado e nesse momento esqueci-me completamente do que queria comprar. Andava pelos corredores sem nada ver tal era a minha ânsia de pular de alegria! Senti vontade de rir e de chorar ao mesmo tempo.

Sempre tive receio da reação do meu pai quando soubesse. Sempre escondi dele a minha verdadeira identidade. Nunca quis desiludi-lo, nunca quis quebrar o estereótipo do filho perfeito e desejado, do qual sempre teve um orgulho enorme. Envergonha-lo talvez perante a sua família... nós sabemos o quanto as pessoas podem magoar ao criticar certas "escolhas". Quando ele me perguntava onde estava a minha namorada, eu respondia-lhe sempre com palavras vagas, dizendo-lhe que "eu vou namorando".

 

Contei ao Dany, o meu namorado, e tocamo-nos ao de leve na mão. A minha vontade era abraça-lo e beija-lo ali no meio da multidão que observava as promoções, mas contive-me porque ainda tenho medo da reação das pessoas. Adoro quando posso aninhar o meu pescoço no ombro dele num abraço apertado. Nos braços dele sinto-me seguro, sinto-me leve, sinto que esperei toda a minha vida por ele.

 

Se isto não é a felicidade, creio que andarei lá muito perto.

 

 

19
Jul17

Construí uma ponte...

Sr. Solitário

cropped-bridge-to-victory-picture1.jpg

 

Construí uma ponte para ti, a minha ilusão ordenou-me para que o fizesse e eu fi-lo sem pensar nas consequências, tão majestosa e segura de si para que a pudesses percorrer com facilidade até mim, sem curvas e sem obstáculos. Tive o cuidado de a embelezar com todas as minhas qualidades, com os meus sorrisos sinceros, e com uma segurança que nunca senti mas que mascarei facilmente.

 

Construí uma ponte com uma só saída, um acesso direto à porta do meu coração que te receberia de braços abertos, apesar de todas as suas feridas ainda por cicatrizar. Ele pulava de excitação, esperava ansiosamente a tua chegada, não me dava descanso!

 

Construí uma ponte para ti mas tu nunca a percorreste. Ela permanece em silêncio, abandonada, e já dá sinal de se desfazer a qualquer momento, caindo no vazio. O sinal verde ainda pisca de quando em vez, o vermelho ainda não se acendeu, e eu arrependo-me de não colocar um amarelo intermitente.

 

Construí mais uma ponte para juntar à coleção de pontes que fui construindo ao longo da minha vida, já lhes perdi a conta. Um nevoeiro denso cobre-as, algumas teias de aranha enfeitam os alicerces, um vento gélido assobia por entre as ruas.

Cansei-me de construir pontes para quem não as merece percorrer. Agora, quem quiser chegar ao meu coração, terá que escalar uma grande montanha e rezar para que não caia no precipício.

 

 

29
Mai17

Escondo-me em palavras

Sr. Solitário

1-too_many_words_by_payana-dev.jpg

 

O mundo agita-se lá fora. Há sempre um burburinho no ar, abafado pelas janelas, que corta o pesado silêncio que as paredes enrugadas da minha casa carregam. Todas elas são testemunhas da minha solidão, são elas que amparam os meus golpes de desespero, são elas que calam o meu choro. Se fossem notificadas por um qualquer tribunal dos sentimentos, onde eu me sentava na cadeira do réu, estas paredes eram a prova mais fidedigna da minha culpa.

 

Sento-me no sofá da sala com um livro nas mãos, abro-o e sou invadido pelo conforto das palavras, elas abraçam-me o corpo esguio, levantam-me e levam-me para onde elas querem ir. E eu deixo-me levar.

Conheço várias pessoas, variadas personagens que as palavras do livro me apresentam, e sinto que a minha solidão se desvanece aos poucos, transformando-se num sentimento quase inexistente. Vivo tantas aventuras, presencio tantos momentos, que de tão singelos que são me trazem de novo à vida, àquela vida que eu quero viver.

Porém, as palavras começam a dançar num ritmo que não compreendo perante os meus olhos já de si cansados, tenho que parar e fechar o livro, voltar para a minha clausura.

 

Reparo que o mundo lá fora não parou enquanto estive ausente, o burburinho continua, eu é que não o acompanhei. Não me importo - penso com um encolher de ombros - prefiro mil vezes a vida que se passa nos livros do que viver a minha própria vida.

Fecho as cortinas, entregando a casa mais uma vez à escuridão, e nela permaneço até que tenha vontade de ler novamente.

 

 

17
Nov16

No silêncio do meu quarto

Sr. Solitário

No silêncio do meu quarto, penso em ti. Já é dia, mas dentro destas quatro paredes ainda é noite; está escuro e o espaço que alberga a minha parca mobília está em absoluta taciturnidade. Ouço o chilrear de alguns pássaros, cães a ladrar, galos a cantar, a vida que acorda lá fora, do outro lado da minha janela, coberta com o estore.

Consigo vislumbrar a sombra de alguns objetos, fazendo um esforço para que a minha visão se adapte à escuridão, com uma minguada luz que atravessa as frinchas da porta, e neles poiso o meu olhar vazio enquanto divago entre as minhas memórias e os meus pensamentos.

 

No silêncio do meu quarto, penso em ti. Sorrio para o vazio quando uma recordação mais feliz me assola a mente. Contudo, ela não vem sozinha, traz outra e mais outra consigo, vêm em catadupa como uma cascata de emoções. Estas não me fazem sorrir... não! Estas são diferentes. Elas fazem com que me abrace a mim mesmo e me aconchegue mais nos cobertores para aquecer o frio que invadiu o meu corpo débil de carinho.

Apago-as da minha cabeça com um abanão e levanto-me, enfrentando mais um dia que já se levantou muito antes de mim. Tomo o meu pequeno-almoço olhando a televisão sem prestar atenção alguma ao que ela transmite. Hoje, as minhas atenções estão voltadas para ti, para as tuas palavras, para os teus sorrisos, para o teu rosto de barba farta que anseio tocar...

 

Ligo o computador e recebo um "Bom Dia" que me faz sorrir. Esqueço o silêncio do meu quarto escuro e dou mais cor ao meu dia. Coloco os meus óculos e começo a escrever... a escrever um texto que se iniciou com uma frase curta e que se tornou numa prosa intencional e verdadeira.

 

ambiente-1400528141840_751x500.jpg

 

20
Out16

Nu

Sr. Solitário

Sinto-me nu. Um vento frio envolve o meu corpo magro e estremeço ao seu toque. Coloco os braços em redor do meu pescoço e fecho os olhos sentindo a sensação de liberdade que me transforma num ser solto, desprendido de pudor. Inspiro profundamente e vejo o meu reflexo no espelho, que me devolve uma imagem que me desagrada. Não gosto do meu corpo, é magro demais, é disforme, é triste, não tem cor.

 

Sinto-me nu, transparente. Os meus lábios estão secos, o meu rosto imberbe aparenta marcas de sorrisos, lágrimas, sentimentos. As minhas emoções estão à flor da pele e os meus pelos eriçam-se arrepiados. Não necessito de uma visão raio X para contar as minhas costelas, elas mostram-se perfiladas na minha pele branca. Os meus cotovelos e os meus joelhos são proeminentes, esticando a pele quando fletidos.

 

Sinto-me nu. Visto-me de palavras, palavras simples que tatuo no meu corpo e permaneço mudo. Adorno-me de sonhos e a minha indumentária dá cor ao meu rosto, abrilhanta o meu olhar. E o dia passa.

 

nu artistico.jpg

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D